Símbolo Aprag Aprag Associação dos Controladores de Vetores e Pragas Urbanas

Notícias

Quase 60% dos municípios do Estado estão sob ameaça do mosquito da dengue

Cinco a cada dez municípios mineiros estão em estado de alerta ou risco para surtos de dengue, zika e chikungunya. Ao todo, 492 cidades sinalizaram a possibilidade de epidemias dessas doenças no período chuvoso, que vai de outubro a março, quando os criadouros do mosquito aumentam em todo país. 


Os dados constam no Levantamen


 


to Rápido de Índices de Infestação pelo Aedes aegypti (LIRAa), divulgado pela Secretaria de Estado de Saúde (SES-MG), tendo como referência abril deste ano.


 


Em situação de risco, são 112 cidades em Minas, o equivalente a 13% das 853 existentes. No Brasil, segundo o Ministério da Saúde, a pior situação é registrada em 22% dos municípios. São 1.153 localidades no país com índice de infestação superior aos 4%. O que indica que a cada 100 imóveis vistoriados pelas equipes de vigilância, quatro apresentaram larva do mosquito. 


Belo Horizonte está em estado de alerta com indicador de 1,5%, conforme a Secretaria Municipal de Saúde. De acordo com a pasta, 84% dos focos foram encontrados em residências. Do total, 26,3% estavam em inservíveis, 14,2% em vasos de plantas e 9,9% em recipientes. 


O quadro preocupa. “Os números mostram proliferação dos focos do mosquito pelo Estado. Ele sinaliza a possibilidade de surtos das doenças transmitidas pela picada do Aedes”, afirma o virologista Flávio Guimarães. 

Casos


Em Minas, 22.454 casos prováveis de dengue já foram registrados pela SES-MG neste ano. No mesmo período, foram 8.667 possíveis pacientes com chikungunya e 222 com zika.


A menor incidência de casos prováveis de dengue e zika seria uma das explicações para o aumento dos focos. Em 2017, o número de infectados por dengue foi quase 20 vezes menor do que em 2016, caindo de aproximadamente 519 mil para cerca de 26 mil.


“Passados anos seguidos de surtos, o número de doentes começou a cair. Então, é natural que a população e até mesmo as autoridades relaxem nas ações preventivas. Aí abre mais espaço para evolução dos criadouros”, expõe Guimarães. 


Descuido


A infectologista Silvia Hees acredita que o principal problema ainda está ligado à falta de cuidado das pessoas, que não eliminam os focos do mosquitos dentro de casa. “O risco de transmissão está diretamente ligado ao grande número de focos. Portanto, é essencial uma mudança de comportamento para que novas epidemias não apareçam”, coloca. 


Para a assessora de saúde da Associação Mineira de Municípios (AMM), Juliana Marinho Diniz, a falta de recursos decorrente da crise econômica também pesou. Com menos dinheiro para investir na saúde, as prefeituras tiveram que optar por resolver problemas mais emergenciais. 


“Nos últimos meses, o foco ficou muito no uso das verbas para garantir o combate à febre amarela. Equipes tiveram que ir para as zonas rurais para vacinar, por exemplo, e tudo isso demanda gastos”, conta. 


Por nota, a SES-MG informou que “as ações de controle do vetor se dão em âmbito municipal”, sendo que o papel da pasta é “apoiar os municípios na realização dessas ações, inclusive com treinamentos e reuniões de alinhamento”.


 


Estocagem de água coloca Montes Claros em situação crítica


O número de pessoas com dengue em Montes Claros neste ano praticamente triplicou. Segundo o setor de epidemiologia do município, foram registrados, de janeiro até ontem, 585 casos de dengue na cidade, contra 207 em todo o ano passado. E a situação pode ficar ainda mais crítica até o fim do ano se o elevado número de focos na cidade não for controlado.



“Continuamos com carro fumacê em locais com maior incidência de pernilongo. O carro também passa em regiões de monitoramento onde há pessoas doentes”
Flamarion Cardoso
Coordenador do Centro de Controle de Zoonose (CCZ) de Montes Claros



De acordo com o LirAa, Montes Claros está entre as 44 cidades do Norte de Minas com maior risco de epidemia de dengue. Conforme a pesquisa, a cidade está com índice de infestação em 8%, ou seja, risco de surto. Outros 28 municípios da região estão sob a mesma ameaça.


O coordenador do Centro de Controle de Zoonose (CCZ) da cidade, Flamarion Cardoso, explica que o armazenamento de água em tambores é um dos principais causadores da proliferação do mosquito. 


“Uma situação que contribui muito para esses altos índices é o racionamento de água que Montes Claros vem enfrentando. As pessoas têm o costume de armazenar a água em tambores e caixas sem tampa – 57% dos focos do mosquito Aedes aegypti foram encontrados nestes reservatórios”, afirma.


O coordenador também ressalta que o combate ao mosquito Aedes aegypti deve ser um trabalho em conjunto entre município e população. “É preciso que os moradores fiquem atentos para não acumular lixo e não deixar possíveis locais para focos do mosquito”, diz.


 


FONTE: https://bit.ly/2Jw01LH


 


 


 

VEJA A APRAG NA MÍDIA

4:51 Árvores de São Paulo sofrem com cupins Café com Jornal Canal APRAG 17 visualizações 2:47 HOW TO TRAIN YOUR DRAGON 3 Trailer (2019) FilmSelect Trailer 8,2 mi visualizações Novo 10:09 RESPONDING TO RICEGUM WillNE 696 mil visualizações Novo 9:4

Especialista dá dicas do que fazer para espantar os inse...

Dicas sobre controle de pombos

Mitos e verdades sobre dicas caseiras para previnir form...

Revista da Cidade 23/01/18 - Sérgio Bocalini

VEJA MAIS MATÉRIAS

Notícias APRAG

VEJA MAIS NOTÍCIAS